O QUE A DISNEY FEZ COM ALADDIN?

O QUE A DISNEY FEZ COM ALADDIN?

12/20/2018 0 Por Fala Geek

Recriar o Gênio da Lâmpada de Aladdin, após a inesquecível versão de Robin Williams do filme de 1992, não é tarefa fácil. Para isso, o cineasta Guy Ritchie selecionou Will Smith. Como assumir tamanha responsabilidade?

“Quando você está fazendo algo que é icônico a sensação é sempre aterrorizante”, disse o ator em entrevista à EW. “A questão é sempre: Onde sobrou algo novo para fazer? Robin não deixou muita coisa.”

Will Smith assume o papel no live-action que acaba de ganhar as primeiras imagens. Ele divide tela com Naomi Scott, a Jasmine, e Mena Massoud, o próprio Aladdin.

Smith conta que, obviamente, se inspirou na versão de Williams, mas quis fundir o gênio com algo de sua própria personalidade. “Comecei a me sentir confiante de que poderia entregar algo que fosse uma homenagem a Robin Williams mas que fosse musicalmente diferente. Até o sabor do personagem seria distinto e único o suficiente para deixar claro que eu estaria em uma linha diferente, e não competindo.”

A inspiração veio até mesmo dos seus papéis em clássicos da década de 1990 — de Independence Day a Bad Boys, passando pelo próprio Um Maluco no Pedaço. A tática rendeu, já que um dos executivos da Disney descreve a nova versão do Gênio como uma mistura do próprio Will de Fresh Prince e Hitch – Conselheiro Amoroso.

A versão do Gênio em sua forma azul flutuante não está finalizada, mas Ritchie a descreve como algo na linha de “um pai musculoso da década de 1970.”

“Ele era grande o suficiente para parecer uma força — não tão musculoso a ponto de parecer que ele estava contando calorias, mas formidável o suficiente para sempre chamar atenção quando entra em um ambiente.”

No filme, com lançamento marcado para 23 de maio de 2019, uma grande nuvem azul se transforma no Gênio de Will Smith quando Aladdin entra na Caverna dos Tesouros. A introdução conta com um rápido número musical, e o autoconsciente Gênio indaga: “Você realmente não sabe quem eu sou? Gênio… desejos… lâmpada? Nada disso te lembra alguma coisa? Uau, essa é a primeira vez.”

“Gosto do fato de nosso Gênio ter um ego e se importar com a forma como se apresenta. Ele faz isso há muito tempo”, pondera Ritchie.

“Acho que isso é algo único até mesmo no universo Disney. Não houve muito desse sabor hip-hop nessas histórias”, finaliza Smith.

Fonte: Adoro Cinema