Jogos | Origem dos famosos fatalities de Mortal Kombat

Jogos | Origem dos famosos fatalities de Mortal Kombat

03/18/2019 0 Por Fala Geek

A série Mortal Kombat ficou conhecida por conta dos seus famosos fatalities, os movimentos especiais que o vencedor da luta pode usar para matar o oponente derrotado. Com o passar do tempo, eles também foram ficando cada vez mais sangrentos e impressionantes.

Os fatalities estão presentes na série desde o primeiro game, lançado em outubro de 1992. Em uma entrevista para a revista Game Informer, Ed Boon, um dos criadores de Mortal Kombat ao lado de John Tobias, confessou que os fatalities foram inspirados em outra franquia de luta igualmente famosa e popular.

“Não tínhamos os fatalities em mente quando começamos a desenvolver o primeiro Mortal Kombat. Estranhamente, a ideia veio do aspecto do lutador ficar tonto, que estava presente em outro game de luta popular (Boon não citou o nome, mas se tratava claramente de Street Fighter, da Capcom).”

“Eu, pessoalmente, adorava ver o oponente ficar tonto, por que era realmente divertido dar um golpe livre, que você sabia que ele não poderia bloquear” complementou Boon.

O programador, no entanto, não gostava de ver o oponente tonto no meio da luta. Assim, quando decidiu adaptar esse aspecto em Mortal Kombat, ele e John Tobias optaram por colocá-lo no perdedor após a conclusão do combate. E foi aí que surgiu a ideia dos fatalities.

“Tínhamos essa ideia no game por algum tempo quando pensamos: ‘não seria legal se você pudesse fazer algo devastador no outro cara no golpe final?’ E foi assim que os fatalities nasceram”, explicou Boon.

Originalmente, apenas o vilão Shang Tsung teria um fatality, que ele executaria se você perdesse a luta final contra ele. Mas Boon e Tobias logo mudaram de ideia e acharam melhor que os próprios jogadores executassem o movimento fatal. E decidiram manter os comandos em segredo de propósito.

“Propositalmente, não documentamos como executar o movimento, o que adicionaria uma camada extra de mistério. As pessoas teriam que descobrir e compartilhar a forma de executá-los. Essa era uma parte da mágica dos fatalities: eles eram animadores, legais, exagerados e as pessoas não sabiam como executá-los”, complementou Boon.